O STF e a irrazoável equivalência financeira das taxas de fiscalização